EPISTEMOLOGIA 

CIENCIA DA INFORMAÇÃO

 
Rafael Capurro
  

 


 
V Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, Belo Horizonte (Brasil) 10 de Novembro de 2003. Tradução de Ana Maria Rezende Cabral, Eduardo Wense Dias, Isis Paim, Ligia Maria Moreira Dumont, Marta Pinheiro Aun e Mônica Erichsen Nassif Borges.

Versión original en castellano aquí. Presentación: PowerPoint

Sobre este tema ver:
- Renato Fabiano Matheus: Rafael Capurro e a filosofia da informação: abordagens, conceitos e metodologias de pesquisa para a Ciência da Informação.
En PERSPECTIVAS EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO (2005) Vol. 10, No. 2
- Rosa Lidia Vega-Almeida, J. Carlos Fernández-Molina, Radamés Linares: Coordenadas paradigmáticas, históricas y epistemológicas de la Ciencia de la Información: una sistematización. En: IRinformationresearch, vol. 14, No. 2, June, 2009.

Ver también los siguientes trabajos del autor:
- Epistemology and Information Science (1985)
- Information (Munich 1978)
- Hermeneutik der Fachinformation (1986). 
- Hermeneutics and the Phenomenon of Information
- Rafael Capurro, Birger Hjørland: The Concept of Information (2003)

 
 
 
Indice


Introdu
ção
I. Correntes epistemológicas do Século 20
II. Paradigmas epistemológicos da ciência da informação
Conclusão: Conseqüências práticas dos paradigmas epistemológicas

Bibliografía



 ´
 
Resumo

Analisa-se na introdução o conceito de paradigma e identifica-se o escopo da investigação epistemológica no campo da ciência da informação. A primeira parte menciona alguns paradigmas epistemológicos que influenciaram a ciência da informação, a saber: hermenêutica, racionalismo crítico, semiótica, construtivismo, cibernética de segunda ordem e teoria de sistemas. Na segunda parte são aprofundados três paradigmas epistemológicos. Em primeiro lugar expõe-se o paradigma físico. Tomando como ponto de partida a teoria de Shannon e Weaver, mencionam-se os experimentos de Cranfield e a teoria „informação-como-coisa“ de Michael Buckland. Em segundo lugar analisa-se o paradigma cognitivo, representado dentre outros por B.C. Brookes, Nicholas Belkin, Pertti Vakkari e Peter Ingwersen. Por fim, expõe-se o paradigma social que tem suas origens na obra de Jesse Shera, atualmente representado pelas teorias de Bernd Frohmann, Birger Hjørland, Rafael Capurro e Søren Brier. Finalmente, indicam-se as conseqüências práticas dos paradigmas epistemológicos para a concepção e avaliação de sistemas de informação bem como para a investigação em ciência da informação.



Palavras-chave


Epistemologia – Ciência da informação – Recuperação da informação – Tecnologia da informação – Paradigmas – Cognitivismo Sociedade


Abstract

In the introduction the concept of paradigm as well as the scope of epistemological research in information science are analized. The first part mentions some epistemological paradigms that have influenced information science so far such hermeneutics, critical rationalism, critical theory, semiotics, constructivism, second-order cybernetics, and system theory. The second part is dedicates to a detailed analysis of three epistemological paradigms in information science. The first one is the physical paradigm that goes back to Shannon's theory of communication. The Cranfield tests and Michael Buckland's conception of "information-as-thing" are mentioned. The second one is the cognitive paradigm represented by B.C. Brookes, Nicholas Belkin, Pertti Vakkari and Peter Ingwersen. Finally the social paradigm, going back to Jesse Shera's "social epistemology", is explained with regard to criticisms and theories by Bernd Frohmann, Birger Hjørland, Rafael Capurro, and Søren Brier. Practical consequences of epistemological research concerning the design and evaluation of information systems as well as research in information science are considered.

 
 
 
 

Introdução

    Há aproximadamente vinte anos, a biblioteca do Royal Institute of Technology  de Estocolmo  convidou-me para proferir uma série de conferências sobre a ciência da informação, uma delas intitulada „Epistemology and information science“ (Capurro 1985). Foi a primeira vez que falei sobre a relação entre hermenêutica e tecnologia da informação, fazendo uma exposição da tese que um ano mais tarde seria aceita pela Universidade de Stuttgart como tese de pós-doutorado (‘habilitação’) em filosofia, intitulada „Hermenêutica da informação científica“ (Capurro 1986). Nessa tese indicava que desde o ponto de vista hermenêutico o conhecimento está ligado à ação, mostrando os pressupostos e as conseqüências a respeito dos processos cognitivos e práticos relacionados com a busca de informação científica armazenada em computadores, assim como com a concepção de tais sistemas e seu papel na sociedade.

    As relações entre epistemologia e ciência da informação têm uma complexa história, que não é possível aqui mostrar numa visão detalhada. Isso é válido em maior grau para a própria epistemologia que mencionarei brevemente na primeira parte, ao me referir a algumas mudanças paradigmáticas do século passado que deixaram vestígio na nossa disciplina. Em segundo lugar, vou-me aprofundar em três paradigmas epistemológicos predominantes na ciência da informação, a saber: o paradigma físico, o cognitivo e o social. Naturalmente que essa seleção e esquematização não só simplificam de forma extrema a complexidade das proposições, como podem dar lugar a um mal entendido, considerando a presente exposição como avanço histórico, posto que muitas teorias se entrecruzam com distintas intensidades e em diversos períodos.

    Antes de iniciar, gostaria de me referir brevemente ao conceito de paradigma. Thomas Kuhn o utiliza em sua famosa análise da estrutura das revoluções científicas com múltiplas conotações (Kuhn 1962/1970, Mastermann 1970). Como a  palavra paradigma mesmo o   indica — do grego paradeigma  = exemplar, mostrar (déiknumi) uma coisa com referência (pará) a outra — o paradigma é um modelo que nos permite ver uma coisa em analogia a outra. Como toda analogia, chega o momento em que seus limites são evidentes,  produzindo-se então uma crise ou, como no caso de teorias científicas, uma „revolução científica“,  na qual se passa  da situação de „ciência normal“ a um período „revolucionário“ e em seguida a novo paradigma. Kuhn identifica a existência de uma situação „pré-paradigmática“ na qual não se produzem progressos científicos, como seria o caso das ciências sociais, incluindo também a ciência da informação. David Ellis tem razão quando mostra, retomando a crítica a Kuhn de  Margaret Masterman, que tanto a situação de dualismo como de multiplicidade de paradigmas não são necessariamente sinais de estado científico pré-paradigmático, mas sim características da ciência normal (Ellis 1992). Em outras palavras, a dicotomia entre „ciência normal“ e „período revolucionário“ é demasiado esquemática  se se considerar que crises, rupturas, erros, mal entendidos, equívocos, analogias, dados empíricos, conceitos, hipóteses, dúvidas, retrocessos e buscas sem saída  assim como as instituições, os instrumentos, as visões e paixões que suportam por assim dizer os processos cognitivos, constituem o cerne mesmo, em parte latente e em parte explícito, de todo campo científico, pois o êxito ou o predomínio de um paradigma científico está sempre em parte condicionado às estruturas sociais e aos fatores sinergéticos, incluindo eventos fora do mundo científico, cujo efeito multicausal não só é difícil de prever, como também de analisar a posteriori.

    Minha tese é que a ciência da informação nasce em meados do século XX com um paradigma físico, questionado por um enfoque cognitivo idealista e individualista, sendo este por sua vez substituído por um paradigma pragmático e social ou, para tomar um famoso conceito cunhado por Jesse Shera e sua colaboradora Margaret Egan em  meados do século passado (Shera 1961, 1970) e analisado em profundidade por Alvin Goldman (2001), por uma „epistemologia social“ („social epistemology“), mas agora de corte tecnológico digital. Um número recente da revista Social Epistemology (v.16, n.1, 2002) é dedicado à relação entre epistemologia social e ciência da informação. Como se pode ver, o que aparentemente surge no final desse relativamente curto processo histórico, a saber, o paradigma social, já se encontrava no início, se bem que não como paradigma da ciência da informação, mas  sim de seus predecessores, em particular a biblioteconomia e a documentação.

    Uma definição clássica da ciência da informação diz que essa ciência tem como objeto a produção, seleção, organização, interpretação, armazenamento, recuperação, disseminação, transformação e uso da informação (Griffith 1980). Essa definição é válida naturalmente também para campos específicos, de modo que, se queremos identificar o papel de uma ciência da informação autônoma, devemos transportá-la a nível mais abstrato. Para isso torna-se necessária uma reflexão epistemológica que mostre os campos de aplicação de cima para baixo, ou top down, e desde que se veja também a diferença entre o conceito de informação nessa ciência em relação ao uso e à definição de informação em outras ciências assim como em outros contextos, como o cultural e o político, e é claro também em outras épocas e culturas. Essa investigação é uma das tarefas mais amplas e complexas de uma futura ciência da informação unificada, que não seja meramente  reducionista, mas que veja as relações análogas, equívocas e unívocas entre diversos conceitos de informação e respectivas teorias e campos de aplicação (Capurro/Hjørland 2003). Peter  Fleissner e Wolfgang Hofkirchner, dois colegas da Universidade Técnica de Viena, batizaram com meu nome esse problema entre as relações análogas, equívocas e unívocas dos diversos conceitos da informação, chamando-o de „o trilema de Capurro“ (Fleissner/ Hofkirchner 1995).

I. Correntes epistemológicas do Século 20

    Comecemos esta breve passagem pelas teorias epistemológicas do século passado, com a que foi, por assim dizer, a herdeira das correntes transcendentais, idealistas e  vitalistas dos séculos XVIII e XIX. Refiro-me a hermenêutica. A hermenêutica como teoria filosófica foi desenvolvida por Hans-Georg Gadamer (1900-2002) (Gadamer 1975), seguindo os caminhos abertos no século XIX por Friedrich Schleiermacher (1768-1834) e Wilhelm Dilthey (1833-1911), e no século XX por Edmund Husserl (1859-1938) e Martin Heidegger (1889-1976), para lembrar somente alguns dos seus representantes mais notáveis. Algumas escolas filosóficas muito  influentes como o racionalismo crítico de Karl Popper (1902-1994), a filosofia analítica e a teoria da ação comunicativa de Jürgen Habermas (1981) e Karl-Otto Apel (1976) criticaram a  hermenêutica. Um ponto crucial da citada crítica está relacionado com o problema da separação entre a metodologia das ciências humanas, ou ciências do espírito ("Geisteswissenschaften") e a das ciências naturais, ("Naturwissenschaften"). Enquanto as últimas teriam como finalidade a explicação causal ("erklären") dos fenômenos naturais, as primeiras aspirariam a compreender ("verstehen") ou interpretar ("auslegen") os fenômenos especificamente humanos como a historia, a política, a economia, a técnica, a moral, a arte e a religião. O termo grego hermeneuein significa „interpretar“, mas também „anunciar“, sendo Hermes o mensageiro dos deuses e o intérprete de suas mensagens. De seu pendant egípcio, o deus Theut, inventor da escritura, fala Platão em uma famosa passagem do "Fedro" (Phaidr. 174c-275b).

    A hermenêutica seria, assim, o título do método das ciências do espírito que permitiria manter aberto o sentido da verdade histórica própria da ação e pensamento humanos, enquanto que o método das explicações causais somente poderia aplicar-se a fenômenos naturais submetidos exclusivamente a leis universais e invariáveis. O título da obra de Gadamer „Verdade e método“ (Gadamer 1975), indica por sua vez uma distinção e uma conexão entre a "verdade“  das ciências do espírito e o "método" das ciências naturais. Sem entrar agora em uma exposição detalhada desse debate, pode-se constatar que ambas as correntes, a hermenêutica e o racionalismo crítico, aparentemente inimigos irreconciliáveis, afirmam, acima de suas diferenças, o caráter fundamentalmente interpretativo do conhecimento, sendo a hermenêutica a que atribui maior ênfase à relação entre conhecimento e ação, ou entre epistemologia e ética.

    A tese de Karl Popper de que todo conhecimento científico tem um caráter conjectural (Popper 1973) não está muito distante da afirmação de Gadamer de que toda a compreensão se baseia em uma pré-compreensão ("Vorverständnis") ou em um "pré-julgamento" ("Vorurteil"). Dessa maneira o falsificacionismo e o monismo metodológico-popperiano, questionado, dentre outros, por Thomas Kuhn (1970) e Paul Feyerabend (1986), está relacionado à tese hermenêutica sobre o papel ineludível do intérprete, ou melhor dizendo, de uma comunidade de intérpretes, à qual logo se refere a ética comunicativa de Karl-Otto Apel e Jürgen Habermas. Enquanto os racionalistas críticos enfatizam o conteúdo das hipóteses e sua justificação (context of justification), os historiadores da ciência e, com eles também, a hermenêutica, não se cansam de afirmar que tais  contextos são condicionados, em parte, pela situação histórica (context of discovery).

    Essas correntes de pensamento tiveram repercussão na ciência da informação e, em especial, na compreensão dos processos relacionados com o armazenamento e a busca da informação (information retrieval) como se mostrará, em breve. Porém há que se notar que, pelo contrário, nem a ciência da informação, nem a tecnologia da informação, tem desempenhado pepel importante na discussão filosófica mesma, que se pode interpretar  como um sinal da alienação mútua entre o discurso filosófico e essa disciplina, bem como o processo tecnológico. E, mais, a hermenêutica, porém não só ela — basta recordar as críticas da escola de Frankfurt, aos meios de comunicação de massa — tem-se mostrado, na maioria dos casos, como inimiga dos avanços tecnológicos, em geral, e das redes digitais em particular (Capurro 2003, 95-96).

    O desenvolvimento da computação e a investigação empírica dos processos neuronais cerebrais vêm revolucionando a teoria clássica do conhecimento baseada na idéia da representação, ou duplicação de uma realidade externa na mente do observador. Essa revolução começa com a chamada teoria da informação de Claude Shanon e Warren Weaver (Shannon/Weaver 1972) e com a cibernética, que em meados do século passado tematiza o vínculo entre os seres vivos e, em geral, entre sistemas logo chamados autopoiéticos e o meio ambiente como se expressou, claramente, Norbert Wiener (1961). Daí deriva a cibernética de segunda ordem, baseada em modelos recursivos de auto referências desenvolvidos, dentre outros, por Heinz von Foerster (Foerster 1974, Foerster/Poerksen 2001), pelos biólogos Humberto Maturana e Francisco Varela (1980, 1984) e pela teoria de sistemas de Niklas Luhmann (1927-1998) (Luhmann 1987). Essas correntes conexas com a semiótica de Charles S. Peirce (1839-1914)  influenciam a discussão epistemológica da ciência da informação (Brier 1999). Cabe ressaltar, finalmente, que o pensamento tardio de Ludwig Wittgenstein (1889-1951), com sua virada ao mesmo tempo lingüística e pragmática, haja feito também suas incursões, lamentavelmente pouco profundas, em nossa disciplina (Blair 2003). Finalmente gostaria de citar o pensamento de Michel Foucault (1926-1984) e Gianni Vattimo (1936-), os quais também influenciaram a reflexão filosófica da ciência da informação.

    No início do século XXI, a epistemologia, entendida como estudo dos processos cognitivos e não no sentido clássico aristotélico de estudo da natureza do saber científico e de suas estruturas lógico-racionais (episteme), adquire não só um caráter social e pragmático, mas  também se relaciona intimamente com a investigação empírica de todos os processos cerebrais. Ou, mais genericamente, com todos os tipos de processos relacionados com a forma como os seres vivos conhecem, isto é, como fazem a construção e autogênese de suas realidades. Essa proposição epistemológica de tipo naturalista e tecnológico questiona, de diversas formas, as teses clássicas metafísica, idealista e transcendental. A tecnologia digital permite a simulação de processos cognitivos em artefatos, como nos mostram a robótica e diversos tipos de sistemas bio-tecnológicos.

    Em outras palavras, as proposições epistemológicas atuais são tecnológicas e naturalistas, no sentido de que o lugar privilegiado do conhecer humano é, pelo menos parcialmente, questionado, não só através dos esforços para explicar cientificamente, por exemplo, a emergência da consciência ou da identidade pessoal,  como também em relação à tendência niveladora de tais teorias com relação a processos cognitivos no mundo natural não humano, que levam a outros novos projetos tecnológicos, como o da inteligência e o da vida artificial. Isso significa um agravio cognitivo da auto consciência do ser humano, que se soma aos agravantes e à descentralização cósmica, evolutiva e racional provocados pelas teorias e descobertas de Copérnico, Darwin e Freud. Podemos dizer, além do mais, que, dado o fluxo generalizado da técnica digital, não só na atividade científica como também em todas as esferas da ação humana, vivemos no horizonte de uma ontologia digital, entendido o termo ontologia não no seu sentido clássico de um estudo dos seres, nesse caso dos seres digitais, mas no sentido Heideggeriano de um projeto existencial, cujas conseqüências sociais e ecológicas são difíceis de prever (Capurro 1992, 2001, 2003, 2003a). A esse projeto vinculam-se, também, os avanços em campos como o da nanotecnologia e as aplicações relacionadas com uma tecnologia computacional distribuída (ubiquitous computing). É paradoxal, assim, que neste momento, em que a computação invade todos os campos do conhecimento e ações humanas e não humanas, a máquina computacional, ela mesma, se torne cada vez menos visível.

II. Paradigmas epistemológicos da ciência da informação

    A ciência da informação tem, por assim dizer, duas raízes: uma é a biblioteconomia clássica ou, em termos mais gerais, o estudo dos problemas relacionados com a transmissão de mensagens, sendo a outra a computação digital. A primeira raiz nos leva às próprias origens, certamente obscuras, da sociedade humana entendida como um entrelaçamento ou uma rede de relações, — Hannah Arendt fala da „‘web’ of human relationships“ (Arendt 1958,  p. 183) — baseadas na linguagem, isto é, em âmbito hermenêutico aberto, onde os entrecruzamentos metafóricos e metonímicos permitem não apenas manter fluido o mundo das convenções e fixações que tornam possível uma sociedade humana relativamente estável, como também nos permitem gerar a capacidade de perguntar pelo que não sabemos a partir do que cremos que sabemos.

    É claro que essa raiz da ciência da informação ou, como também poderíamos chamá-la, da ciência das mensagens (Capurro, 2003b), está ligada a todos os aspectos sociais e culturais próprios do mundo humano. A outra raiz é de caráter tecnológico recente e se refere ao impacto da computação nos processos de produção, coleta, organização, interpretação, armazenagem, recuperação, disseminação, transformação e uso da informação, e em especial da informação científica registrada em documentos impressos. Este último impacto permite explicar porque o paradigma físico torna-se predominante entre 1945 e 1960, seguindo a periodização proposta por Julian Warner (2001). O problema dessa periodização consiste não apenas no fato de que antes de 1945 existisse já, no campo da biblioteconomia, o que hoje chamamos de paradigma social, mas também, como veremos a seguir, nas transformações posteriores desse paradigma que chegam até os dias de hoje.


1) O paradigma fisico

A ciência da informação inicia-se como teoria da information retrieval baseada numa epistemologia fisicista. A esse paradigma, intimamente relacionado com a assim chamada information theory de Claude Shannon e Warren Weaver (1949-1972), que já mencionei, e também com a cibernética de Norbert Wiener (1961), denominou-se o „paradigma físico“ (Elis 1992, Øron 2000). Em essência esse paradigma postula que há algo, um objeto físico, que um emissor transmite a um receptor. Curiosamente a teoria de Shannon não denomina esse objeto como informação ("information"), mas como mensagem ("message"), ou, mais precisamente, como signos ("signals") que deveriam ser em princípio reconhecidos univocamente pelo receptor sob certas condições ideais  como são a utilização dos mesmos signos por parte do emissor e do receptor,  e a ausência de fontes  que perturbem a transmissão ("noise source" – fonte de ruído) (Shannon/Weaver 1972). Uma vez que essas condições sejam apenas postulados ideais, a teoria propõe uma fórmula, na qual se parte do número de seleções ("choices") que implica tal codificação, assim como de um fonte de perturbação no momento da transmissão. É justamente tal número de seleções que é chamado por Shannon de „informação“ ("information"). À maior quantidade de seleções possíveis corresponde maior informação e, portanto, maior insegurança por parte do receptor em virtude da possibilidade de ruído ("noise"). Aqui se vê, claramente, como o indica Weaver, manifestando estranheza, que esse conceito de informação é justamente oposto ao uso dessa palavra em linguagem comum, quando afirmamos que precisamos da informação porque queremos reduzir uma situação de insegurança ou de não saber. Em outras palavras, na terminologia de Shannon, é a mensagem e não a informação que reduz a incerteza ("uncertainty").

Essa teoria, tomada como modelo na ciência da informação, implica numa analogia entre a veiculação física de um sinal e a transmissão de uma mensagem, cujos aspectos semânticos e pragmáticos intimamente relacionados ao uso diário do termo informação são explicitamente descartados por Shannon. Os famosos experimentos de Cranfield, realizados pelo Cranfield Institute of Technology em 1957 para medir os resultados de um sistema computadorizado de recuperação da informação, marcam o começo, problemático sem dúvida, da influência desse paradigma em nosso campo ou, mais precisamente, em uma subdisciplina desse campo, a information retrieval, na qual os valores de recall e precision em relação a um sistema de indexação, são controlados em situação similar à de um laboratório de física (Ellis 1992). Vêem-se aqui claramente os limites da analogia entre a linguagem, ou mais precisamente, entre os conceitos semântico e pragmático da informação, e um mecanismo de transmissão de sinais. O desenvolvimento posterior da teoria de Shannon e Weaver mostra a intenção de incluir as dimensões semânticas e  pragmáticas excluídas por Shannon, fazendo referência seja ao processo interpretativo do sujeito cognoscente, seja a situações formalizadas de intercâmbio (Mackay 1969,  Bar-Hillel 1973, Dretske 1981, Barwise/Perry 1983, Barwise/Seligman 1997, Perez Gutiérrez 2000). Torna-se evidente que, no campo da ciência da informação, o que esse paradigma exclui é nada menos que o papel ativo do sujeito cognoscente ou, de forma mais concreta,  do usuário, no processo de recuperação da informação científica, em particular, bem como em todo  processo informativo e comunicativo, em geral. Não por acaso, essa teoria refere-se a um „receptor“ (receiver) da mensagem. Não é de se estranhar que os limites dessa metáfora hajam conduzido ao paradigma oposto, o cognitivo.

Entretanto, antes de analisá-lo, convém indicar — tratando de evitar, como eu afirmava no início, a impressão de um processo linear histórico —, que Michael Buckland, reconhecido cientista em nosso campo e, não originário por certo nem da física nem da engenharia, há pouco mais de dez anos propôs a informação em nosso campo como fenômeno objetivo ("infomation-as-thing"), isto é, algo tangível como documentos e livros, ou, mais genericamente, qualquer tipo de objeto que possa ter valor informativo, o qual pode ser, em princípio, literalmente qualquer coisa (Buckland 1991). É claro que, visto dessa forma, o paradigma físico tem suas raízes bem como seu sentido em atividades clássicas dos bibliotecários e documentalistas. Entretanto, ao mesmo tempo, é claro também que o valor informativo a que alude Buckland não é uma coisa nem a propriedade de uma coisa, mas um predicado de segunda ordem, isto é, algo  que o usuário ou o sujeito cognoscente adjudica a „qualquer coisa“ num processo interpretativo demarcado por limites sociais de pré-compreensão que o sustentam. Retomamos essa questão no contexto do terceiro paradigma.


2) O paradigma cognitivo

Comecemos por lembrar que, na idéia de uma bibliografia universal de Paul Otlet y Henri Lafontaine, que levaria à fundação do Institut Internacional de Bibliographie de Bruxelas em 1895, denominado posteriormente Institut International de Documentation (1931) e finalmente Fedération Internationale de Documentation (FID) em 1937, está explícita a intenção de distinguir entre o conhecimento e seu registro em documentos. A documentação e, em seguida, a ciência da informação têm a ver, aparentemente, em primeiro lugar com os suportes físicos do conhecimento, mas na realidade sua finalidade é a recuperação da própria informação, ou seja, o conteúdo de tais suportes. Isso nos leva à ontologia e à epistemologia de Karl Popper que influenciaram diretamente o paradigma cognitivo proposto por B. C. Brookes (1977, 1980), entre outros. A ontologia popperiana distingue três „mundos“, a saber: o físico, o da consciência ou dos estados psíquicos, e o do conteúdo intelectual de livros e documentos, em particular o das teorias científicas. Popper fala do „terceiro mundo“ como um mundo de „objetos inteligíveis“ ou também de „conhecimento sem sujeito cognoscente“  (Popper 1973). Essa é a razão pela qual se costuma designá-lo como modelo platônico (Capurro 1985, 1986, 1992), se bem que o mundo popperiano dos „problemas em si próprios“ não tenha caráter divino como é o caso do „lugar celestial“ (topos ouranós) das idéias de Platão. Brookes subjetiva, por assim dizer, esse modelo no qual os conteúdos intelectuais formam uma espécie de rede que existe somente em espaços cognitivos ou mentais, e chama tais conteúdos de „informação objetiva“. Dado o seu caráter cognitivo potencial para um sujeito cognoscente, não é de se estranhar que Peter Ingwersen tente integrar dinamicamente o objeto perdido desse paradigma cognitivo sem sujeito cognoscente, que é  o usuário (Ingwersen 1992, 1995, 1999). Mas, apesar desse enfoque social, sua perspectiva permanece cognitiva no sentido de que se trata de ver de que forma os processos informativos transformam ou não o usuário, entendido em primeiro lugar como sujeito cognoscente possuidor de „modelos mentais“ do „mundo exterior“ que são transformados durante o processo informacional. Ingwersen toma elementos da teoria dos „estados cognitivos anômalos“ ("anomalous state of knowledge" abreviado: ASK), desenvolvida por Nicholas Belkin e outros (Belkin 1980, Belkin/Oddy/Brooks 1982). Essa teoria parte da premissa de que a busca de informação tem sua origem na necessidade ("need") que surge quando existe o mencionado estado cognitivo anômalo, no qual o conhecimento ao alcance do usuário, para resolver o problema, não é suficiente. Tal situação inicial geralmente também se denomina „situação problemática“ (Wersig 1979). A teoria dos modelos mentais tem tido impacto no estudo e na concepção de sistemas de recuperação da informação, como mostram as análises empíricas realizadas por Pertti Vakkari com relação à conexão entre estado anômalo do conhecimento e estratégias de busca (Vakkari 2003). Nesse sentido, podemos falar, tanto no caso de Ingwersen quanto no de Vakkari, de uma posição intermediária entre o paradigma cognitivo mentalista de Brookes e o paradigma social.


3) O paradigma social

    Os limites do paradigma cognitivo se apóiam precisamente na metáfora, ou pars pro toto, de considerar a informação, ou como algo separado do usuário localizado em um mundo numênico, ou de ver o usuário, se não exclusivamente como sujeito cognoscente, em primeiro lugar como tal, deixando de lado os condicionamentos sociais e materiais do existir humano. É essa visão reducionista que é criticada por Bernd Frohmann, que considera o paradigma cognitivo não só como idealista mas também como associal. Frohmann escreve:

„o ponto de vista cognitivo relega os processos sociais de produção, distribuição, intercâmbio e consumo de informação a um nível numênico, indicado somente por seus efeitos nas representações de geradores de imagens atomizadas. A construção social dos processos informativos, ou seja, a constituição social das „necessidades dos usuários“, dos „arquivos de conhecimentos“ e dos esquemas de produção, transmissão, distribuição e consumo de imagens, exclui-se, pois, da teoria da biblioteconomia e da ciência da informação." (Frohmann 1995, 282) (minha tradução)

    A crítica de Frohmann é baseada em parte implicitamente na epistemologia do Wittgenstein das „Investigações Filosóficas“ (Wittgenstein 1958), bem como na teoria do discurso como manifestação de poder, de Michel Foucault (1994). Mais precisamente, pode-se dizer que Frohmann critica a epistemologia baseada em conceitos como „imagens mentais“,  „mapas cognitivos“, „modelos do mundo“, „realidades internas“, etc.

    Costuma-se indicar comumente que, para além das diferenças, existem caminhos de pensamento paralelos entre a crítica de Wittgenstein aos conceitos internalistas que culmina em sua crítica à „linguagem privada“, e a crítica de Heidegger à epistemologia que parte da separação entre um sujeito cognoscente encapsulado e um mundo exterior que ele tenta contatar. É mais, a hermenêutica do existir humano, como mostra Heidegger em „Ser e tempo“ (Heidegger 1973), parte da premissa de que não necessitamos buscar uma ponte entre o sujeito e o objeto localizado em um „mundo exterior“ visto que existir significa estar já sempre „fora“ e socialmente envolvido em uma rede de relações e significados que Heidegger chama de „mundo“. Sua famosa fórmula „ser-no-mundo“ torna explícita justamente essa situação fática do „estar ali“ („Dasein") do existir humano. Mas é mais, tal envolvimento é para Heidegger originariamente também um „estar ali“ em uma relação social primordialmente prática („Sorge“) com os outros („Mitsein“) e com as coisas. Daí que a epistemologia heideggeriana, assim como a do Wittgenstein tardio, com seus conceitos de „jogos de linguagem“ como „formas de vida“  (Wittgenstein 1958), sejam, por assim dizer, antiepistemologias, ou pragmatologias, no sentido de que fundam o conhecimento teórico num pré-conhecimento prático tácito. Essas correntes epistemológicas influem em nossa disciplina.

    Como indicava no começo, é possível mostrar o aporte desses paradigmas para o processo de recuperação da informação (Capurro 1986) ou, de forma mais geral, para uma sociedade informatizada (Capurro 2003, 97ss e 130ss, 2003a). Isso se vê claramente também em campos afins ao nosso como na crítica de Winograd y Flores (1986) aos modelos em parte  hoje vigentes na informática. A hermenêutica conectada aos „speech acts“ de John Austin (1962) permite a Fernando Flores construir um programa, o COORDINATOR, que apóia e não substitui as conversações e os compromissos no marco das empresas (Winograd/ Flores 1986). A corrente epistemológica relacionada com a filosofia externalista da linguagem wittgeinsteiniana permite conceber os sistemas de recuperação da informação, não sob a divisa física do best matching, mas como um tipo de conversação sustentada por um andaime („scaffolding“) (Blair 2003, 38-39). Em outra ocasião aludi ao conceito heideggeriano de andaime  („Gestell“) relacionando-o com as estruturas informativas no marco de um mundo digitalmente enredado (Capurro 2000, 2003). O que podemos chamar de  uma hermenêutica artificial (Capurro 2003) está próximo da teoria de Karl-Otto Apel (1976) e Jurgen Habermas (1981) mas sem compartilhar sua tendência a idealizar contrafaticamente  a  comunidade de intérpretes, como mostrou Gianni Vattimo (1989). Ambas as correntes, a hermenêutica e a teoria crítica, proporcionam um marco epistemológico possível para nossa disciplina (Benoît 2002).

    Birger Hjørland desenvolveu, junto com Hanne Albrechtsen (Hjørland 2003, 2003a, 2000, 1998, Hjørland/Albrechtsen 1995) um paradigma social-epistemológico chamado „domain analysis“ no qual o estudo de campos cognitivos está em relação direta com comunidades discursivas („discourse communities“), ou seja, com distintos grupos sociais e de trabalho que constituem uma sociedade moderna. Uma consequência prática desse paradigma é o abandono da busca de uma linguagem ideal para representar o conhecimento ou de um algoritmo ideal para modelar a recuperação da informação a que aspiram o paradigma físico e o cognitivo. Uma base de dados bibliográfica ou de textos completos tem caráter eminentemente polissêmico ou, como o poderíamos chamar também, polifônico. Os termos de um léxico não são algo  definitivamente fixo. O objeto da ciência da informação é o estudo das relações entre os discursos, áreas de conhecimento e documentos em relação às possíveis perspectivas ou pontos de acesso de distintas comunidades de usuários (Hjørland 2003). Isso significa, em outras palavras, uma integração da perspectiva individualista e isolacionista do paradigma cognitivo dentro de um contexto social no qual diferentes comunidades desenvolvem seus critérios de seleção e relevância.

    Essa seleção está conectada ao conceito hermenêutico de pré-compreensão („Vorverständnis“) assim como à crítica da concepção de sujeitos isolados, separados do mundo exterior, derivada do pensamento cartesiano (Capurro 1986, 1992). Informação não é algo que comunicam duas cápsulas cognitivas com base em um sistema tecnológico, visto que todo sistema de informação está destinado a sustentar a produção, coleta, organização, interpretação, armazenamento, recuperação, disseminação, transformação e uso de conhecimentos e deveria ser concebido no marco de um grupo social concreto e para áreas determinadas. Só tem sentido falar de um conhecimento como informativo em relação a um pressuposto conhecido e compartilhado com outros, com respeito ao qual a informação pode ter o caráter de ser nova e relevante para um grupo ou para um indivíduo.

    A diferença entre mensagem, ou oferta de sentido, e informação, ou seleção de sentido, é, ao meu ver, a diferença crucial de nossa disciplina entendida assim como teoria das mensagens e não só como teoria da informação. Para dizê-lo em termos da teoria de sistemas, trata-se da diferença entre o que o sociólogo alemão Niklas Luhmann chama „mensagem“ („Mitteilung“) ou também „oferta de sentido“ („Sinnangebot“), e a seleção feita pelo sistema com base em sua estrutura e seus interesses, um processo que Luhmann denomina com o termo „informação“ („Information“), que em alemão é, na linguagem cotidiana, sinônimo de „dar notícia“ („Mitteilung“). O sentido selecionado pelo sistema é integrado através de um processo de compreensão („Verstehen“) em que sua estrutura dessa maneira realiza a sua autogênese cognitivamente e, portanto, também vitalmente. Luhmann chama comunicação à unidade desses três momentos: oferta de sentido, seleção e compreensão (Luhmann 1987).

    Vê-se aqui claramente que a avaliação de um sistema de informação não está baseada meramente no matching de um dado de entrada (input) com outro dado previamente registrado, mas que esse dado registrado é concebido como uma oferta frente à qual o usuário desempenhe um papel eminentemente ativo. Tal atividade procede não só de sua consciência ou de seus „modelos mentais“, mas seus conhecimentos e interesses prévios à busca estão de início entrelaçados nas redes social e pragmática que os sustentam. O assim chamado „estado cognitivo anômalo“ é na realidade um estado existencial anômalo. Vakkari é objeto de mal entendido quando escreve que o conceito hermenêutico de informação é idêntico ao de pré-compreensão e, portanto, inadequado para ser utilizado em nossa disciplina (Vakkari 1996, Ørom 2000).

    A hermenêutica como paradigma da ciência da informação postula justamente a diferença entre pré-compreensão, oferta de sentido e seleção, tomando  como marco de referência, não a pré-compreensão de um sujeito ou usuário isolado, mas a de determinada comunidade assim como a de um campo específico de conhecimento e/ou de ação no qual o usuário está já implícita ou explicitamente inserido. Nesse sentido, o paradigma hermenêutico está próximo da semiótica, assim como do construtivismo e da cibernética de segunda ordem. Como afirma Ian Cornelius,

„cada bit de informação só é informação se se a entende no contexto cultural no qual está empacotada, o qual nos permite interpretá-la“ (Cornelius 1996, 19) (minha tradução).

    Embora normalmente se considere a informação como um elemento prévio necessário  à criação de conhecimento, sendo a tríade dados, informação, conhecimento um locus comunis  de muitas teorias  (Bogliolo/de Azevedo 2003) , Rainer Kuhlen vê a relação entre informação e conhecimento ao contrário, e a formula assim: „Informação é conhecimento em ação“ (1996, 34). Em outras palavras, o trabalho informativo é um trabalho de contextualizar  ou recontextualizar praticamente o conhecimento. O valor da informação, sua mais-valia com respeito ao mero conhecimento, consiste precisamente da possibilidade prática de aplicar um conhecimento a uma demanda concreta. Assim considerado, o conhecimento é informação potencial. Não é difícil ver aqui a relação entre nossa disciplina e o trabalho sempre difícil e arriscado de interpretar, sobretudo se esse trabalho não se reduz a decifrar um texto obscuro, mas, sim, abrange todos os problemas reais e não menos obscuros e „anômalos“ do existir humano.

    Søren Brier (1992, 1996, 1999) mostrou como a semiótica de Charles S. Peirce (1839-1914) ligada à cibernética de segunda ordem, leva ao que Brier chama de „cybersemiotics“, a qual considera a relação entre signo, objeto e intérprete como dinâmica e adaptável a diversos contextos. Essa relação triádica  permite também integrar os aportes e metodologias dos paradigmas físico e cognitivo, abrindo-lhes a dimensão social. Nesse sentido, pode-se dizer que a „cybersemiotics“ de Brier é uma hermenêutica de segunda ordem que amplia o conceito de interpretação para além do conhecimento humano relacionando-o a todo tipo de processo seletivo.

    Ao mesmo tempo, vê-se aqui também como a discussão sobre o conceito de informação, que no  marco de nossa disciplina refere-se a processos cognitivos humanos ou a seus produtos objetivados em documentos, evidencia  uma vez mais os limites de todo o paradigma ou modelo, nesse caso do paradigma social, no momento em que a relação entre informação e significado torna-se problemática quando se deseja transportá-la para sistemas não sociais. É aqui que surge o apelo por uma teoria unificada da informação (Hofkirchner 1999). Essa teoria deveria entrecruzar ou, por assim dizer, enredar ou tramar diversos conceitos de informação mostrando a tessitura complexa da linguagem comum e da teorização científica em torno desse conceito e a sua relação com a realidade social e natural que o possibilita (Capurro/Hjørland 2003, Capurro 2001 a).

Conclusão:

Conseqüências práticas dos paradigmas epistemológicas

    Diz-se, com freqüência, que as discussões filosóficas têm pouca, ou nenhuma, conseqüência prática. Embora certo que as teorias filosóficas não aspirem a resolver imediatamente nem problemas práticos nem problemas científicos, ambos repousam nolens volens sobre uma pré-compreensão de seus objetos. O dualismo mesmo entre teoria e praxis é produto de um argumento implícito que o impede de ver sua própria falha. Essa é uma das grandes lições da discussão epistemológica do século XX. A análise aqui apresentada deixa ver, para além de seus limites e simplificações, que os pressupostos epistemológicos implícitos ou explícitos da nossa disciplina apresentam conseqüências relevantes para a concepção de sistemas de informação, para o uso de tais sistemas e  para a própria pesquisa científica. Como se sabe, o conceito de relevância desempenha um papel preponderante na ciência e na prática dos processos informativos. Os critérios clássicos de recall e precision surgem, como vimos, dentro do marco do paradigma físico, revelando ao mesmo tempo, ex negativo, a importância do usuário, considerado individual ou coletivamente como elemento chave no que diz respeito ao julgamento sobre a qualidade de tais sistemas. Mas é claro também que tanto o usuário como o sistema se relacionam a uma coleção determinada, como o destaca o paradigma da "domain analysis". Em outras palavras, o conceito de relevância tem que ser considerado, como o sugere Thomas Froehlich (1994), em relação a três processos hermenêuticos que condicionam a concepção e uso de qualquer sistema informacional, a saber:

1) uma hermenêutica dos usuários, capazes de interpretar suas necessidades em relação a si próprios, a intermediários e ao sistema,

2) uma hermenêutica da coleção que seja capaz de fundamentar os processos de seleção de documentos ou textos e a forma como esses são indexados e catalogados, e

3) uma hermenêutica do sistema intermediário, na qual tem lugar o clássico matching a que se refere o paradigma físico.

    Essa análise coincide exatamente com minha tese sobre uma hermenêutica da informação científica de que falei no começo (Capurro 1986, 2000). Todo processo hermenêutico leva a uma explicitação e com ele também a uma seleção. Como dizíamos anteriormente, a diferença em que se baseia a ciência da informação consiste em poder distinguir entre uma oferta de sentido e um processo de seleção cujo resultado implica na integração do sentido selecionado dentro da pré-compreensão do sistema, produzindo-se assim uma nova pré-compreensão. É claro também que toda explicitação é de certa maneira uma tipificação, já que, como sugere Wittgenstein, não existe uma "linguagem privada". Esse é o fundamento epistemológico para a criação de estruturas de (pre-)seleção ou de pré-compreensão objetivada, chamadas em suas origens "disseminação seletiva da informação" ("selective dissemination of information" SDI) ou também perfis informacionais individuais ou de grupo que permitem ao usuário reconhecer sua pré-compreensão na redundância e ver também o novo e potencialmente relevante, ou seja, a informação. A comunicação e a informação são, vistas assim, noções antinômicas (Bougnoux 1995, 1993). Pura comunicação significa pura redundância e pura informação é incompreensível. A ciência da informação se situa entre a utopia de uma linguagem universal e a loucura de uma linguagem privada. Sua pergunta chave é: informação - para quem? Numa sociedade globalizada em que aparentemente todos comunicamos tudo com todos, essa pergunta torna-se crucial. À globalização segue-se necessariamente a localização (ICIE 2004).

    Vê-se aqui também claramente, como as proposições epistemológicas não podem ser desligadas das perguntas éticas, e como ambas as perspectivas se entrelaçam em nós ontológicos que giram hoje em dia em torno da pergunta: quem somos como sociedade(s) no horizonte da rede digital? É evidente também que tal pergunta surge não apenas como conseqüência de um mero estado anômalo de conhecimento, mas de um estado anômalo existencial que nos acostumamos a chamar de exclusão digital. Em outras palavras, toda epistemología está baseada numa epistemopraxis. No centro dessa se encontra a sociedade humana entendida como sociedade de mensagens com suas estruturas e centros de poder (Capurro 2003).

    É claro que a rede digital provocou uma revolução não apenas mediática mas também epistêmica com relação à sociedade dos meios de comunicação de massa do século XX. Mas é claro também que essa estrutura, que permite não só a distribução hierárquica, ou one-to-many, das mensagens, mas também um modelo interativo que vai além das tecnologias de intercâmbio de mensagens meramente individual, como o telefone, cria novos problemas sociais, econômicos, técnicos, culturais e políticos, os quais mal começamos a enfrentar teórica e práticamente. Esse é, ao meu ver, o grande desafio epistemológico e epistemoprático que a tecnologia moderna apresenta a uma ciência da informação que aspira a tomar consciência, sempre parcial, de seus pressupostos. Aldo Barreto sinaliza a direção em que teremos que avançar com estas palavras:

"Assim é nossa crença que o destino final, o objetivo do travalho com a informação é promover o desenvolvimento do indivíduo de seu grupo e da sociedade. Entendemos por desenvolvimento de uma forma ampla, como un acréscimo de bem estar, un novo estágio de qualidade de convivência, alcançado através da informação. A ação social maior é fazer a luz brilhar para cada ser humano através da informação como mediadora do conhecimento." (Barreto 2002)

    

Bibliografía

Apel, Karl-Otto (1976): Transformation der Philosophie. Frankfurt am Main: Suhrkamp. 

Arendt, Hannah (1958): The Human Condition. The University of Chicago Press. 

Austin, John L. (1962): How to do things with words. Oxford, UK: Oxford University Press. 

Bar-Hillel, Y. (1973): Language and Information. London: Addison-Wesley. 

Barreto, Aldo (2002): Entrevista de Leonardo Melo al Professor Aldo Barreto: "Leia e Pense!" 
Online: http://www.alternex.com.br/~aldoibct/novidade.htm 

Barwise, Jon; Perry, John (1983): Situations and Attitudes. MIT Press. 

Barwise, Jon; Seligman,Jerry (1997): Information Flow. The Logic of Distributed Systems. Cambridge University Press. 

Belkin, Nicholas J. (1980): Anomalous States of Knowledge as Basis for Information Retrieval. In: The Canadian Journal of Information Science, vol. 5, 133-143. 

Belkin, Nicholas J.; Oddy, R.N.; Brooks, H.M. (1982): ASK for Information Retrieval: Part I. Background and Theory. En: Journal of Documentation, Vol. 38, No. 2, 61-71. 

Benoît, Gerald (2002): Toward a Critical Theoretic Perspective in Information Systems. En. Library Quarterly, vol. 72, no. 4, 441-471. 

Blair, David C. (2003): Information Retrieval and the Philosophy of Language. En: Blaise Cronin (Ed.): Annual Review of Information Science and Technology, Vol. 37, Medford: NJ: Information Today Inc.,  3-50. 

Bogliolo Sirihal, Adriana; de Azevedo Lourenço, Cíntia (2003): Informação e conhecimento: aspectos filosóficos e informacionais. 
Online: http://www.informacaoesociedade.ufpb.br/1210203.pdf

Bougnoux, Daniel (1995): La communication contre l'information. Paris: Hachette. 

Bougnoux, Daniel (1993): Sciences de l'information et de la communication. Paris: Larousse. 

Brier, Søren (1992): A philosophy of science perspective - on the idea of a unifying information science, En: Pertti Vakkari, Blaise Cronin (Eds.): Conceptions of Library and Information Science. Historical, empirical and theoretical perspectives. London: Taylor Graham, 97-108. 

Brier, Søren (1996): Cybersemiotics: A New Interdisciplinary Development Applied to the Problems of Knowledge Organisation and Document Retrieval in Information Science. En: Journal of Documentation, vol. 52, no. 3, 296-344. 

Brier, Søren (1999): What is a Possible Ontological and Epistemological Framework for a True Universal 'Information Science'? The Suggestion of a Cybersemiotics. En: W. Hofkirchner (Ed.): The Quest for a Unified Theory of Information. Proceedings of the Second International Conference on the Fundations of Information Science. Amsterdam: Gordon and Breach, 79-99. 

Brookes, B.C. (1977): The developing cognitive view in information science. En: International Workshop on the Cognitive Viewpoint, CC-77, 195-203. 

Brookes, B.C. (1980): The foundations of information science: Part I: Philosophical Aspects. En: Journal of Information Science, 2, 125-133. 

Buckland, Michael K. (1991): Information and Information Systems. New York. 

Capurro, Rafael (1985): Epistemology and Information Science. Royal Institute of Technology Library, Stockholm, August 1985, Report TRITA-LIB-6023.  
Online: http://www.capurro.de/trita.htm 

Capurro, Rafael (1986): Hermeneutik der Fachinformation. Freiburg/München: Alber. 

Capurro, Rafael (1992): What is information science for? A philosophical reflection.  En: Pertti Vakkari, Blaise Cronin (Eds.): Conceptions of Library and Information Science. Historical, empirical and theoretical perspectives. London: Taylor Graham, 82-96.  
Online: http://www.capurro.de/tampere91.htm 

Capurro, Rafael (2000): Hermeneutics and the Phenomenon of Information. En: Carl Mitcham (Ed.): Metaphysics, Epistemology and Technology. Research in Philosophy and Technology, Vol. 19. New York: Elsevier, 79-85
Online: http://www.capurro.de/ny86.htm 

Capurro, Rafael (2001): Beiträge zu einer digitalen Ontologie. 
Online: http://www.capurro.de/digont.htm 

Capurro, Rafael (2001a): Informationsbegriffe und ihre Bedeutungsnetze. En: Ethik und Sozialwissenschaften 1, (12),14-17. 
Online: http://www.capurro.de/ropohl.htm 

Capurro, Rafael (2003): Ethik im Netz. Stuttgart: Franz Steiner Verlag. 

Capurro, Rafael (2003a): Operari sequitur esse. Zur existenzial-ontologischen Begründung der Netzethik. En: Thomas Hausmanninger, Rafael Capurro (Eds.): Netzethik. Grundlegungsfragen der Internetethik. Schriftenreihe des ICIE, Bd.1, Munich: Fink, 61-77. 

Capurro, Rafael (2003b): Angeletics - A Message Theory. En: Hans H. Diebner, Lehan Ramsay (Eds.): Hierarchies of Communication. Karlsruhe: ZKM - Center for Art and Media, 58-71. 
Online: http://www.capurro.de/angeletics_zkm.html 

Capurro, Rafael; Højrland, Birger (2003): The Concept of Information. En: Blaise Cronin (Ed.): Annual Review of Information Science and Technology, Vol. 37, Medford, NJ: Information Today Inc., 343-411.
Online: http://www.capurro.de/infoconcept.html

Cornelius, Ian (2002): Theorizing Information for Information Science. En: Blaise Cronin (Ed.): Annual Review of Information Science and Technology, Vol. 36, Medford, NJ: Information Today Inc., 393-425. 

Cornelius, I. (1996): Information and Interpretation. En: Peter Ingwersen, Niels O. Pors (Eds.) Proceedings CoLIS2. Second International Conference on Conceptions of Library and Information Science: Integration in Perspective. October 13-16, 1996. The Royal School of Librarianship, Copenhagen,  11-21. 

Dretske, F. I. (1981): Knowledge and the flow of information. Cambridge, MA: MIT Press. 

Ellis, D. (1992): Paradigms and proto-paradigms in information retrieval research. En: Pertti, Vakkari, Blaise Cronin (Eds.): Conceptions of Library and Information Science. Historical, empirical and theoretical perspectives. London, 165-186.

Feyerabend, Paul (1986): Wider den Methodenzwang. Frankfurt am Main: Suhrkamp. 

Fleissner, Peter; Hofkirchner, Wolfgang (1995): Informatio revisited. Wider den dinglichen Informationsbegriff. En: Informatik-Forum, 8, 126-131. 

Foerster, Heinz von (Ed.) (1974): Cybernetics of Cybernetics. Urbana: Biological Computer Laboratory, University of Illinois.

Foerster, Heinz von; Poerksen, Bernhard (2001): Understanding Systems. Conversations on Epistemology and Ethics. New York: Kluwer.

Froehlich, Thomas J. (1994): Relevance Reconsidered - Towards an Agenda for the 21st Century: Introduction to a Special Topic Issue on Relevance Research. En: Journal of the American Society for Information Science Vol. 45, No. 3, 124-134. 

Frohmann, Bernd (1995): Knowledge and power in information science: toward a discourse analysis of the cognitive viewpoint. En: R. Capurro, K. Wiegerling, A. Brellochs (Eds.): Informationsethik. Konstanz: UVK 273-286. Publicado originariamente bajo el título "The power of imges: a discourse analysis of the cognitive viewpoint" en: Journal of Documentation, Vol. 48, No. 4, 1992, 365-386. 

Foucault, Michel (1994): Dits et écrits 1954-1988. Paris: Gallimard. 

Gadamer, Hans-Georg (1975): Wahrheit und Methode. Grundzüge einer philosophischen Hermeneutik. Tübingen: Mohr. 

Goldman, Alvin (2001) Social Epistemology. En: Stanford Encyclopedia of Philosophy. Online: http://plato.stanford.edu/entries/epistemology-social/ 

Griffith, B. C. Ed. (1980): Key papers in information science. New York: Knowledge Industry Publ. 

Habermas, Jürgen (1981): Theorie des kommunikativen Handelns. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2 vol. 

Heidegger, Martin (1973): Sein und Zeit. Tübingen: Niemeyer. 

Hjørland, Birger (2003): Principia Informatica: Foundational Theory of Information and Principles of Information Services. En: Harry Bruce, Raya Fidel, Peter Ingwersen, Pertti Vakkari (Eds.): Emeerging Frameworks and Methods. Proceedings of the Fourth Conference on Conceptions of Library and Information Science (CoLIS4), Greenwood Village, Colorado: Libraries Unlimited, 109-121. 

Hjørland, Birger (2003a): Epistemology and the Socio-Cognitive Perspective in Information Science. En: Journal of the American Society for Information Science and Technology, 53 (4), 257-270. 

Hjørland, Birger (2000): Library and information science: practice, theory, and philosophical basis. En: Information Processing and Mangement, 36, 501-531. 

Hjørland, Birger (2000a): Documents, Memory Institutions and Information Science. En: Journal of Documentation, Vol. 56, No. 1, 27-41. 

Hjørland, Birger (1998): Theory and Metatheory of Information Science: A New Interpretation. En: Journal of Documentation, Vol. 45, No. 5, 606-621. 

Hjørland, Birger; Albrechtsen, Hanne (1995): Toward a New Horizon in Information Science: Domain-Analysis. En: Journal of the American Society for Information Science and Technology, 46 (6), 400-425. 

Hofkirchner, Wolfgang (Ed.) (1999): The Quest for a Unified Theory of Information. World Futures General Evolution Studies, Vol. 13. Amsterdam: Gordon and Breach Publishers. 

ICIE (International Center for Information Ethics): "Localizing the Internet. Ethical Issues in Intercultural Perspective" ICIE Congress 2004. 
Online: http://icie.zkm.de/congress2004 

Ingwersen, Peter (1992): Information Retrieval Interaction. London: Taylor Graham. 

Ingwersen, Peter (1995): Information and Information Science. En: Encyclopedia of Library and Information  Science, Vol. 56, Suppl. 19, 137-174.  

Ingwersen, Peter (1999): Cognitive Information Retrieval. En: Martha E. Williams (Ed.): Annual Review of Information Science and Technology (ARIST), Medford, NJ: Information Today Inc., Vol. 34. 

Kuhlen, Rainer (1996): Informationsmarkt. Konstanz: UVK. 

Kuhn, Thomas S. (1962/1970): The Structure of Scientific Revolutions. The University of Chicago Press. 

Luhmann, Niklas (1987): Soziale Systeme. Frankfurt am Main: Suhrkamp. 

MacKay, Donald M. (1969): Information, mechanism and meaning. Cambridge, MA: MIT Press. 

Mastermann, Margaret (1970): The nature of a paradigm. En: Lakatos, Imre, Musgrave, A. (Eds.): Criticisms and the growth of knowledge. Cambridge University Press, 59-91. 

Maturana, Humberto R.; Varela, Francisco (1980): Autopoiesis and Cognition: The Realization of the Living. Dordrecht: Reidel. 

Maturana, Humberto R.; Varela, Francisco (1984): El árbol del conocimiento. Editorial Universitaria, Chile. 

Ørom, Anders (2000): Information Science, Historical Changes and Social Aspects: A Nordic Outlook. En: Journal of Documentation, vol. 56, no. 1, 12-26. 

Pérez Gutiérrez, Mario (2000): El fenómeno de la información. Una aproximación conceptual al flujo informativo. Madrid: Trotta. 

Popper, Karl R. (1973): Objective Knowledge. An Evolutionary Approach. Oxford: Clarendon Press. 

Shannon, Claude; Weaver Warren (1949/1972): The mathematical theory of communication. Urbana, IL.: University of Illinois Press. 

Shera, Jesse (1970):  Library and Knowledge. En: Jesse Shera:  Sociological Foundations of Librarianship, New York: Asia Publishing House, 82-110. 

Shera, Jesse (1961): Social Epistemology, General Semantics, and Librarianship. En: Wilson Library Bulletin 35, 767-770. 

Social Epistemology (2002), Vol. 16, No. 1: Social Epistemology and Information Science. 

Vakkari, Pertti (2003): Task-Based Information Seeking. En: B. Cronin (Ed.): Annual Review of Information Science and Technology (ARIST), Medford, NJ: Information Today, Vol. 37, 413-464. 

Vakkari, Pertti (1996): Library and information science: content and scope. En: J. Olaisen, E. Munch-Petersen, P. Wilson (Eds.): Information science: from the development of the discipline to social interaction. Oslo, Copenhagen, Stockholm, Boston: Scandinavian University Press, 169-231. 

Vattimo, Gianni (1989): La società trasparente. Milan: Garzanti. 

Warner, Julian (2001): W(h)ither information science?/! En: Library  Quarterly. Vol. 71, n. 2, 243-255. 

Wersig, Gernot (1979): The Problematic Situation as a Basic Concept of Information Science in the Framework of Social Sciences: A Reply to N. Belkin. En: International Federation for Documentation (Ed.): Theoretical Problems of Informatics, Moscú, FID 568, 48-57. 

Wiener, Norbert (1961): Cybernetics or the control and communication in the animal and the machine. M.I.T. Press. 

Winograd, Terry; Flores, Fernando (1986): Understanding Computers and Cognition. A New Foundation for Design. Norwood, NJ: Ablex. 

Wittgenstein, Ludwig (1958): Philosophical investigations. G.E.M. Anscombe (Transl.), Oxford, UK: Blackwell.


Ultima modificación: 24 de enero de 2010
 
 
     

Copyright © 2003 by Rafael Capurro, all rights reserved. This text may be used and shared in accordance with the fair-use provisions of U.S. and international copyright law, and it may be archived and redistributed in electronic form, provided that the author is notified and no fee is charged for access. Archiving, redistribution, or republication of this text on other terms, in any medium, requires the consent of the author.

 

 
Regreso a la ciberoteca 
 
Página en español Investigación Actividades
Publicaciones Enseñanza Audio/Video